Monges Cervejeiros: Trapistas

São Bento

São Bento

O que vem a ser uma cerveja Trapista? Ou seria melhor perguntar: o que vem a ser um produto Trapista? Pergunta difícil de responder sem conhecimento da história mas a resposta curta (que não esclarece nada) é: são os produtos autorizados pela ITA – International Trappist Association – a utilizarem o selo de “Authentic Trappist Product“.

Mas acho que vale a pena contar um pouco de história para ilustrar melhor. A Ordem Trapista é uma congregação religiosa católica derivada da Ordem Cisterciense. Os trapistas são monges beneditinos cenobitas, isto é, vivem em comunidade, o que os difere dos religiosos de vida solitária. A origem desta ordem remonta à fundação da Abadia de Cister, na comuna de Saint-Nicolas-lès-Cîteaux, Borgonha, em 1098. Congregações Cistercienses se espalharam por todos os lados e, em 1664, o ábade da abadia cisterciense de Nôtre-Dame de la Trappe sentiu que os monges cistercienses estavam ficavam demasiadamente liberais. Ele introduziu então novas e estritas regras na abadia e a Estrita Observância ali nasceu. Desde então muitas regras foram relaxadas, entretanto, o princípio fundamental de que os monastérios devam ser auto-suficientes é mantido até hoje.

Abadia de La Trappe

Abadia de La Trappe em Soligny-La-Trappe, França

“Trapista” é um “apelido” da “Ordem Cisterciense da Estrita Observância” (existe também os monges da Ordem Cisterciense da Comum Observância). Este apelido nasceu justamente do fato de que seu primeiro mosteiro foi a Abadia de La Trappe em Soligny-La-Trappe, conforme mencionado. Não tem nada a ver com “trapos” ou que seriam monges “esfarrapados”, um “mito” acerca dos trapistas.

Outro mito a respeito dos trapistas é que eles seriam uma Ordem Religiosa nascida numa suposta crise de papel na Idade Média. O Papa, preocupado, teria organizado um conjunto de religiosos que iriam de “casa em casa recolhendo pedaços de pano para a confecção de papel e livros”, sendo que estes monges teriam criado o cargo de monge copista. Os copistas sempre existiram no monaquismo ocidental e nunca foram uma “invenção trapista”.

As Cervejarias Trapistas

Cervejarias Monásticas, de diferentes ordens religiosas, existem em toda Europa desde a idade média. No início da ordem Trapista, a cerveja era produzida nos monastérios cistercienses franceses seguindo a Estrita Observância. Por exemplo, o monastério de La Trappe já possuia sua própria cervejaria em 1685.

Embora os monges vivessem uma vida solitária de trabalho e oração eles acreditavam na hospitalidade e na caridade. Os monastérios eram reconhecidos como locais de refúgio seguro para viajantes que buscavam um local limpo com comidas e bebidas decentes. Os monges cultivavam ou negociavam sua comida e faziam suas próprias bebidas, assim cerveja e vinho estavam sempre disponíveis nos mosteiros. Na época, a água era insalubre e continha toda uma série de doenças. O ato de fazer a cerveja sanitizava a água e adicionava à bebida uma série de outros nutrientes importantes, portanto a cerveja (e o vinho) eram seguros para serem bebidos e eram uma parte importante da dieta diária das pessoas.

Em 820, o monastério de Saint-Gall (ou Saint-Gallen) projetou o que se tornaria o modelo para as cervejarias monásticas medievais. O projeto contemplava a construção da cervejaria em três ciclos completos de brassagem de cerveja: uma para fabricar cervejas para ser vendida a clientes e viajantes, uma para fazer a cerveja dos monges e outra para fazer cerveja para os pobres (cerveja de caridade). Cada ciclo produzia uma qualidade diferente de cerveja, sendo que cerveja de caridade era feita com insumos menos desejáveis.

Monge brassando cerveja

Monge medieval brassando cerveja

A descoberta de que era possível passar a água através dos grãos (mash) várias vezes para extrair o máximo dos grãos doi documentada pela primeira vez pelos cervejeiros jesuítas, que ofereciam uma cerveja com alto de teor alcoólico (em torno de 5%) para os viajantes e usavam a cerveja de segunda passagem (ou segundo ciclo) com um teor alcoólico menor (em torno de 2,5%) para si mesmos. O próximo grande passo veio quando eles perceberam que as pessoas pagariam muito mais por uma cerveja mais forte, mais do que o custo do grão extra. Isso permitiu que fossem feitas cervejas com mais grãos e com mais ciclos. O primeiro ciclo resultava na melhor cerveja, portanto, esta iria para os convidados e era vendida para ajudar a manter a abadia. A cerveja resultante do segundo ciclo era para o uso dos monges. Enquanto que as cervejas produzidas pelos últimos ciclos seriam para os pobres. Esta é também a origem provável dos termos “single”, “double”, “triple” e “quadruple”.

Esta tradição de auto-suntentabilidade juntamente com a hospitalidade continuou na Bélgica enquanto os Trapistas se espalhavam por toda Europa no rescaldo da Revolução Francesa e das Guerras Napoleônicas. Visto que os monges não conseguiam cultivar uvas para vinho de forma eficaz e que os países baixos (Bélgica e Holanda) eram dominados pela culturas dominadas pela cerveja, os mosteiros recém estabelecidos focaram na cerveja como a forma de manter suas abadias.

Esta tradição de auto-sustentação, juntamente com a hospitalidade continuou na Bélgica como o “Trappists” espalhados por toda a Europa no rescaldo da Revolução Francesa e as Guerras Napoleónicas. Uma vez que os monges não podiam realmente cultivar uvas para vinho de forma eficaz, e as terras baixas (Bélgica e Países Baixos) eram culturas dominadas pela cerveja, os mosteiros recém-estabelecidos focaram na cerveja como forma de manter suas abadias.

O próximo grande passo na qualidade começou no início do século 20. Com a enchente de cervejas de baixo teor alcoólico as cervejas estrangeiras começaram a ganhar uma fatia de mercado na Bélgica. Cervejarias estavam falindo em ritmo acelerado. A reação das cervejarias Trapistas, neste momento, foi dar um passo adiante e oferecer cervejas com maior teor alcoólico e paladar mais saboroso do que as cervejas concorrentes. Isso também foi exacerbado pela lei de 1919 que proibia as vendas de bebidas alcoólicas em bares belgas. Os Trapistas estavam preparados para aproveitar esta lei. Sem uma opção de bebidas de alto teor alcoólico, os clientes voltaram-se para as cervejas de maior teor alcoólico, principalmente as feitas pelos monges. À medida que mais cervejarias saíam do negócio, a demanda pela cerveja dos monges crescia constantemente, enquanto que outras alternativas saíam do mercado. Embora sendo em grande parte conservadores em relação à mudanças, os monges foram rápidos para adotar novas técnicas e equipamentos mais modernos para garantir que a qualidade do sua cerveja melhorasse continuamente. Os monges acreditam que, uma vez que eles trabalham essencialmente para Deus e em seu nome, eles devem fazer o melhor produto possível. Este tem sido o princípio motriz ao longo da história das ordens monásticas.

Produto TrapistaÀ medida que as cervejas Trapistas cresciam em fama e popularidade, alguns cervejeiros não-Trapistas começaram usar o termo “Trapista.” Os monges finalmente recorreram à uma ação legal em 1962 e, como resultado, em 1997, os mosteiros trapistas belgas (6 mosteiros), holandês (1) e alemão (1) formaram a ITA – “International Trappist Association”. Eles criaram um logotipo especial que só pode ser usado pelos mosteiros trapistas nos produtos que eles produzem. Isso inclui queijo, pão, vinho, cerveja ou qualquer outra coisa que estes mosteiros venham a produzir.

As regras que regem os direitos legalmente protegidos de usar o logo no rótulo são:

  1. A cerveja deve ser fabricada dentro das paredes de um mosteiro Trapista e ser “preparada por” ou “ser supervisionada” pelos monges.
  2. A cervejaria deve ter uma importância secundária e estar sujeita a práticas comerciais proporcionais às de uma vida monástica.
  3. A cervejaria não deve visar lucros. O dinheiro é para ser usado para pagar a manutenção do monastério e seus monges. Qualquer excesso de dinheiro deve ser usado para os empreendimentos de caridade do monastério.
  4. A qualidade das cervejas está sujeita à inspeção da qualidade.

Desde 2014 existem 11 cervejarias Trapistas reconhecidas que podem usar o logo da ITA (e vários outros que usam o rótulo em outros produtos – veja a lista da ITA aqui):

Cervejarias Trapistas Reconhecidas pela ITA
Cervejaria Localização Desde Nome Comercial
Brasserie de Rochefort  Belgium 1595 Rochefort
Brouwerij der Trappisten van Westmalle  Belgium 1836 Westmalle
Brouwerij Westvleteren/St Sixtus  Belgium 1838 Westvleteren
Bières de Chimay  Belgium 1863 Chimay
Brasserie d’Orval  Belgium 1931 Orval
Brouwerij der Sint-Benedictusabdij de Achelse Kluis  Belgium 1998 Achel
Brouwerij de Koningshoeven  Netherlands 1884 La Trappe
Stift Engelszell  Austria 2012 Gregorius e Benno
St. Joseph’s Abbey in Spencer, Massachusetts  United States 2013 Spencer
Brouwerij Abdij Maria Toevlucht  Netherlands 2014 Zundert
Tre Fontane Abbey  Italy 2014 Tre Fontane

Os Mosteiros Trapistas no Brasil

Sim, os Trapistas estão presentes no Brasil. Apesar de não haver produção de cervejas a Ordem Cisterciense da Estrita Observância possui dois mosteiros instalados por aqui, são eles:

  • Abadia Trapista Nossa Senhora do Mundo Novo – Campo do Tenente, PR
  •  Mosteiro Trapista Nossa Senhora da Boa Vista – Rio Negrinho, SC

Além destes a congregação conta ainda na América do Sul com dois mosteiros na Argentina, dois no Chile, dois na Venezuela e dois no Equador. Agora resta esperar que algum destes comece a produzir cerveja mais perto de nós.

Saúde!

Referências:

A verdadeira história do surgimento da IPA

Fala Galera,

Em nossa última reunião da Confraria surgiu o assunto sobre estilos e entre eles o estilo IPA. Pergunta inevitável, alguém me questionou sobre a origem do estilo e eu contei a já conhecida história de que o estilo nasceu da necessidade de se colocar muito lúpulo para preservar a cerveja quando esta era transportada por navios para a Índia, de maneira a alimentar o mercado local para os colonizadores Britânicos. Ao final da história eu informei a todos que alguém já havia me informado que esta história não era verdadeira, mas que eu não conhecia a outra versão.

Bem, resolvi pesquisar e descobri que a história é na realidade muito mais interessante. E raciocinando bem, é fácil concluir que a versão simplificada realmente não é plausível e não se sustenta por si só, afinal os Britânicos, durante o período de colonização dá Índia, enviavam Porters para a colônia e estas chegavam lá em perfeito estado de consumo.

O termo Pale Ale originalmente era utilizado para uma cerveja em que se havia utilizado um malte claro. As Pale Ales do início do século 18 eram ligeiramente lupuladas e bastante diferentes das Pale Ales de hoje. Em meados do século 18, a maioria das cervejas Pale Ale eram feitas com malte produzido com carvão de coque, os quais produziam menos fumaça e torravam menos a cevada durante o processo de malteação e, desta maneira, produziam uma cerveja ainda mais clara. Uma das variedades da cerveja naquela época era a “October Beer“, uma Pale Ale bem mais lupulada e popular entre os aristrocratas, os quais produziam a mesma domesticamente. Uma vez produzida estas cervejas eram maturadas por dois anos.

Entre as primeiras cervejarias conhecidas a exportarem cerveja para a ìndia estava a George Hodgson’s Bow Brewery, na divisa entre Middlesex e Essex. As cervejas da Cervejaria Bow se tornaram popular entre os comerciantes da East India Company no final do século 18 devido a localização da cervejaria ser próxima das docas da East India Company e à linha de crédito liberal de Hodgson de 18 meses. Os navios transportavam as cervejas de Hodgson para a Índia e entre elas estava a “October Beer“, a qual se beneficiava excepcionalmente das condições da viagem e eram altamente apreciadas por seus consumidores na Índia. A Cervejaria Bow ficou sob o controle do filho de Hodgson no início do século 19, mas as suas práticas de negócios alienaram seus clientes. Durante o mesmo período, várias cervejarias de Burton perderam suas exportações para o mercado Russo, quando o Czar baniu o comércio com a Europa, e estavam procurando por um novo mercado para exportar suas cervejas.

A pedido da East India Company, a cervejaria Allsopp desenvolveu uma Pale Ale fortemente lupulada seguindo o estilo de Hodgson para que fosse exportada para a Índia. Outras cervejarias de Burton, incluindo a Bass e a Salt, estavam ansiosas para substituir o mercado de exportação Russo que haviam perdido e rapidamente seguiram os passos da Allsopp. Talvez como resultado das vantagens da qualidade da água de Burton para a cerveja, a Burton India Pale Ale era preferida pelos mercadores e seus clientes na Índia, mas a cerveja “October Beer” de Hodgson claramente influenciou os cervejeiros de Burton a produzirem as India Pale Ale.

A tentativa da cervejaria Charrington de enviar barris de “India Ale” para Madras (hoje Chennai) e Calcultá em 1827 foi um sucesso e um comércio regular surgiu com os principais agentes e revendores Britânicos: Griffiths & Co em Madras; Adam, Skinner and Co. em Mumbai e Bruce, Allen & Co. em Calcultá.

As primeiras IPA, como as das cervejarias de Burton ou a Hodgson, eram somente ligeiramente mais alcoólicas que a maioria das cervejas produzidas naquela época e não haviam sido consideradas como cervejas fortes.  No entanto, uma grande proporção do mosto era bem fermentada, deixando para trás algum açúcar residual, e a cerveja era fortemente lupulada. A versão comum de que as primeiras IPA eram muito mais fortes que as outras cervejas da época é, na verdade, um mito. Embora as IPAs eram formuladas para sobreviver longas viagens pelo mar melhor que outros estilos da época, as Porters também eram enviadas para a Índia e para a Califórnia com sucesso. Está claro que nos idos de 1860 as IPAs eram amplamente produzidas na Inglaterra e elas eram muito mais tênues e altamente lupuladas que Porters and muitas outras cervejas.

A demanda para a Pale Ale estilo exportação, que tinha se tornado conhecida como India Pale Ale, se desenvolveu na Inglaterra por volta de 1840 e a IPA se tornou um produto popular na Inglaterra. Algumas cervejarias abandonaram o termo “India” no final do século 19, mas os registros indicam que estas “Pale Ales” mantiveram as características das primeiras IPAs. Cervejarias americanas, australianas e canadenses produziram cervejas com o rótulo IPA após 1900, e os registros sugerem que estas cervejas eram similares às IPAs Inglesas da época.

Cervejas do estilo IPA começaram a ser exportadas por outras colônias Britânicas, como Austrália e Nova Zelândia, e nessa época muitas cervejarias removeram o “I” do “IPA” e chamaram as cervejas simplesmente de Pale Ales ou Export Pales. Muitas cervejarias, como a Kirkstall Brewery, enviaram grande quantidade de cervejas de exportação para o mundo todo através de navios à vapor para serem leiloadas a atacadistas locais.

Conclusão: é fato que as cervejas IPA eram formuladas para resistir a longa jornada de navio, contudo outros estilos eram enviados para a Índia e as cervejas chegavam próprias para consumo. O texto deixa claro que a origem do estilo na verdade foi a “October Beer” e a ansiedade das cervejarias de Burton de exportar para as Índias, imitando assim a “October Beer” da Hodgson.

Saúde.

Segunda Reunião – Confraria Chug-a-Lug

Data: 02/Fevereiro/2017

Chug-a-luggers Presentes: Alexandre Fornazari, Gustavo Samogim, Marcelo Sperandim, Marco Jordan, Orlindo Martins, Ed Gomes, Ricardo Valência.
Chug-a-luggers Ausentes: Alessandro Montoya, Renato Maldonado e Rodrigo Menossi

Convidados: Anselmo Cimatti e Lotário Thum.

Presidente: Orlindo Martins
Relator: Ed Gomes

A reunião foi iniciada às 20:00 com um Bate-papo Técnico conduzido por Alexandre Fornazari. Neste bate-papo foram apresentadas as famílias de cervejas: Lagers, Ales e Lambics e o que as caracteriza. Também foram apresentados, de maneira a expor os confrades e convidados a alguns ingredientes cervejeiros, dois tipos de maltes (Cristal e Cara) e três tipos de lúpulos (Tettanger, Citra e Cascade).

A degustação foi iniciada logo após o bate-papo e o Presidente da Reunião, Orlindo Martins (Kim), falou um pouco aos presentes sobre suas pesquisas realizadas para a apresentação de cervejas do estilo Pale Ale. Como definido após a realização da primeira reunião, foram selecionadas quatro cervejas do estilo Pale Ale e estas foram degustadas, avaliadas, comentadas e debatidas entre os confrades.

Assim como na primeira reunião, novamente surgiram dúvidas sobre ésteres, fenóis, formato do colarinho etc. Nossos convidados teceram alguns comentários a respeito da água utilizada em algumas regiões do país e o resultado na qualidade das cervejas fabricadas nessas mesmas regiões.

Ao final da primeira reunião foi sugerido e acordado entre os confrades a redução de cinco para quatro cervejas a serem degustadas, e foi possível concluir ao final da segunda reunião que sim, quatro é o número ideal de cervejas para obter mais precisão nos sentidos para a avaliação das cervejas.

Na segunda reunião, as seguintes cervejas foram degustadas e avaliadas:

  • Eisenbahn – Pale Ale (16B)
  • Sierra Nevada – Pale Ale (10A)
  • OPA Bier – Pale Ale (10A)
  • Ghost Ship (8C)

Embora a pontuação geral possa dar a impressão de que todas as cervejas sejam bastante parecidas, a cerveja eleita a melhor da noite foi a Adnams Ghost Ship com 7,5 pontos.

Até a próxima confraria.

Saúde!

Eisenbahn Pale Ale

Eisenbahn Pale Alea

Características:

Cervejaria: Cervejaria Sudbrack
País: Brasil
Estilo: Belgian Pale Ale (16B)
ABV: 4,8%
Temperatura de consumo: 5 – 7 ºC
Copo Utilizado: Pint

Descrição do Fabricante:

A Eisenbahn Pale Ale é uma cerveja de alta fermentação, de coloração âmbar, pois também utiliza malte tostado em sua formulação; ótima formação e retenção de espuma, sabor vigoroso e marcante, como as clássicas Ales belgas. Copo indicado: Nonic.

Assim como as clássicas Ales belgas, a Eisenbahn Pale Aleapresenta excelente paladar e amargor mais encorpados e complexos, tem um sabor vigoroso e marcante além de uma ótima formação e retenção de espuma. Sua coloração âmbar é fruto da utilização de maltes tostados em sua fórmula. A Pale Ale da Eisenbahn segue a escola da Bélgica, sendo uma variação dos mais diversos tipos deste estilo, já que sabor e aroma sofrem variações dependendo do país em que é produzida.

Considerações da Confraria:

A cerveja Eisenbahn foi nossa primeira avaliada da noite, com opiniões um pouco divergentes, mas variando entre bom e excelente. Nosso convidado e iniciante no mundo cervejeiro, Anselmo, a considerou uma cerveja de amargor acentuado, enquanto isso, nosso confrade Jordan, observou bem a baixa retenção de espuma, que de fato não perdura o quando esperamos de uma boa cerveja. A cerveja possui uma coloração bonita, considerada ambar através do senso comum entre todos os confradesPior avaliação foi feita pelo confrade Gustavo Samogin, com 5,4 pontos (Bom) e a melhor avaliação foi feita pelo confrade Marcelo Sperandin, com 8,4 pontos (Excelente)

Avaliações de nossos degustadores:

Aroma: 6,4
Aparência: 8,3
Sabor: 5,3
Sensação na boca: 6,8
Impressão Geral: 6,4
Média Geral: 6,2

Ficha de Avaliação

OPA Bier – Pale Ale

Cervejaria OPA BIER

Características:

Cervejaria: OPA Bier
País: Brasil
Estilo: American Pale Ale (10A)
ABV: 4,8%
Temperatura de consumo: 5 – 7 ºC
Copo Utilizado: Pint

Descrição do Fabricante

A cerveja Pale Ale Opa Bier oferece um sabor inigualável. De cor acobreada, possui paladar seco e levemente frutado. Representa o sabor europeu em sua melhor forma, com destaque para sua cremosidade e aromas característicos do lúpulo Hallertau. Aprecie a uma temperatura de 0ºC a 3ºC. A Opa Bier resgata uma tradição que sempre pertenceu a Joinville: Produzir cervejas de qualidade incomparável obtidas com a mais pura água. Opa Bier, o legítimo sabor de Joinville!

De coloração âmbar e alta fermentação, oferece um sabor inigualável, paladar seco e levemente frutado com destaque para seu amargor característico do lúpulo Hallertau. Representa o sabor europeu em sua melhor forma. É ideal para acompanhar pratos com forte presença de paladar, todos os tipos de carnes e massas com molhos condimentados.

Considerações da Confraria:

A cerveja OPA Bier obteve uma média razoável, obteve todo tipo de nota em diversos quesitos, como por exemplo seu sabor, onde levou suas maiores notas, mas também as menores, não conseguindo atingir uma nota considerada alta, mas apenas satisfatória. Sua aparência também foi bastante discutida, pois embora sua coloração âmbar e seu colar marfim sejam esperados, pela grande maioria dos confrades, seu colar tem pouca ou nenhuma persistência. Alguns confrades consideram a compra para um segundo consumo e degustação, já outros não consideram essa possibilidade na ficha de avaliação.

Avaliações de nossos degustadores:

Aroma: 6,1
Aparência: 7,0
Sabor: 5,6
Sensação na boca: 6,5
Impressão Geral: 5,8
Média Geral: 6,0

Ficha de Avaliação

Sierra Nevada – Pale Ale

Sierra Nevada American Pale Ale

Características:

Cervejaria: Sierra Nevada Brewing Company
País: Estados Unidos
Estilo: American Pale Ale (10A)
ABV: 5,6%
Temperatura de consumo: 5 – 7 ºC
Copo Utilizado: Pint

Descrição do Fabricante

Um verdadeiro ícone da revolução cervejeira americana! A Sierra Nevada Pale Ale é uma cerveja dourada com um bom amargor e fantásticos aromas cítricos e frutados provenientes dos lúpulos cascade, amplamente utilizados na receita.
Perfeitamente balanceada e refrescante essa American Pale Ale é perfeita para beber em um churrasco com os amigos. Sirva em um pint e aprecie todos os aromas e sabores desse verdadeiro clássico.

Considerações da Confraria:

A cerveja Sierra Nevada Pale Ale obteve ótimas avaliações entre os confrades, principalmente considerando sua aparência e a sensação na boca, embora seu aroma e sabor tenham sido bem avaliados. A maiorias dos confrades presentes consideraram que a coloração mais próxima é o ambar, e a colocação do colarinho, ficou bastante dividido entre o marfim e o bege. O sabor do malte foi bem avaliado e foi percebido predominantemente como moderado para acentuado.  Seu colar é de baixa para moderada retenção, foi unânime que seria mais interessante com um colar mais persistente.

Avaliações de nossos degustadores:

Aroma: 7,5
Aparência: 8,5
Sabor: 6,9
Sensação na boca: 7,8
Impressão Geral: 6,9
Média Geral: 7,3

Ficha de Avaliação

Ghost Ship

Adnams Ghost Ship

Características:

Cervejaria: Adnams Brewery
País: Inglaterra
Estilo: Extra Special Bitter /English Pale Ale (8C)
ABV: 4,5%
Temperatura de consumo: 5 – 7 ºC
Copo Utilizado: Pint

Descrição do Fabricante

A Ghost Ship é uma premiadíssima Pale Ale produzida na Inglaterra, mas que usa lúpulos americanos, como o Citra, para garantir um delicioso amargor cítrico, além de maltes especiais de cevada e centeio. Divertidamente inspirada no supostamente assombrado Pub da Adnams em Walberswick, cuja costa tem diversos destroços de antigos navios de contrabando! Ganhou a medalha de bronze no campeonato de cerveja da Grã Bretanha em 2016.

Considerações da Confraria:

Com as notas mais altas da segunda reunião da confraria Chug a Lug, certamente o troféu de melhor da noite vai para a cerveja Ghost Ship.

Pela avaliação dos confrades, a Ghost Ship pode ser considerada uma Pale Ale de aroma excelente, também com excelente aparência, sabor marcante, presença bastante perceptível dos maltes e lúpulos, e bom corpo, embora neste quesito considerarmos que ainda cabem melhorias. Foi unânime que todos os confrades comprariam para consumo próprio, realmente uma grande cerveja de coloração âmbar e colar de bom tamanho e boa persistência.

Avaliações de nossos degustadores:

Aroma: 7,9
Aparência: 8,5
Sabor: 6,9
Sensação na boca: 8,0
Impressão Geral: 7,4
Média Geral: 7,5

Ficha de Avaliação

Cervejaria Colorado Inaugura Bar em Sampa

A partir do dia 17/02/2017, um novo bar de cervejas artesanais abre em Sampa. O bar da cervejaria Colorado (ou bar do Urso) disponibilizará todos os rótulos da cervejaria nas seis torneiras da chopeira. Além das garrafas e do chopp o bar disponibilizará serviço de entrega de comida e de bebidas, acondicionadas em growlers, para concorrer com os restaurantes do entorno.

Este bar passa a ser um marco no desenvolvimento do mercado de craft beers, provocando e proporcionando novas experiências aos consumidores.

Saúde!

Primeira Reunião – Confraria Chug-a-Lug

Data: 24/Novembro/2016logo-wordpress

Chug-a-Luggers Presentes: Alessandro Montoya, Alexandre Fornazari, Gustavo Samogim, Marcelo Sperandim, Marco Jordan, Orlindo Martins, Renato Maldonado e Ricardo Valência.
Chug-a-Luggers Ausentes: Ed Gomes e Eduardo Simões

Convidados: Sem convidados na primeira reunião.

Presidente: Alexandre Fornazari
Relator: Alexandre Fornazari

A reunião foi iniciada às 20:30 conforme planejado com todos confrades presentes. Foi feita uma breve apresentação do formato das reuniões, das regras da confraria e das possibilidades futuras. Foi também conversado sobre o documento, sobre a necessidade das regras e sobre a primeira revisão a ser consolidada após a terceira reunião e, após este período, as revisões – caso existam – somente serão feitas anualmente. Após as introduções necessárias foi apresentada a degustação do dia, os estilos e as cervejas escolhidas. Foi também apresentado aos confrades pelo presidente o “Beer Score Card” para que os confrades pudessem avaliar e atribuir notas às cervejas, com o intuito de começarmos a formar uma base de dados de cervejas e suas avaliações.

Muitas dúvidas foram apresentadas sobre ésteres e fenóis, formato do colarinho etc. Algumas foram esclarecidas e outras apenas geraram mais dúvidas, mas com o tempo vamos aprendendo juntos e vamos matando as charadas. O importante é curtir as degustações, as brejas e a experiência com os amigos.

Nota Importante: Um comentário digno de nota e já considerado na primeira alteração do documento da Confraria foi com relação à quantidade de cervejas a serem degustadas. Foi sugerido pelos confrades que esta quantidade seja reduzida de cinco para quatro cervejas.

As seguintes cervejas foram degustadas e avaliadas:
– 1500 – Premium American Lager (1C)
– Hofbräu Original – Minich Helles (1D)
– Warsteiner Premium Verum – German Pilsener (2A)
– Praga – Bohemian Pilsener (2B)
– 1795 – Bohemian Pilsener (2B)

E a estrela da noite, na opinião dos confrades, foi a 1795 com 7,3 pontos.

Saúde!!

1795

Características:1795

Cervejaria: Budejovicky Mestansky Pivovar
País: República Tcheca
Estilo: Bohemian Pilsener (2B)
ABV: 4,7%
Temperatura de consumo: 5 – 7 ºC
Copo Utilizado: Lager

Descrição do Fabricante:

Fabricada sob rigorosos e tradicionais processos, com malte próprio e o lúpulo de Saaz, a 1795 é uma cerveja premium lager dourada, com paladar redondo e balanceado amargor. Possui aroma fresco e floral, ideal para acompanhar pratos condimentados (ex. culinária thai, indiana ou chinesa), peixes e saladas e para ser apreciada nos mais diversos momentos. Estilo: lager (baixa fermentação) – 4,7% teor alcoólico. Cor: dourada brilhante.  Aroma: floral e fresco Paladar: encorpado, bem balanceado, com boa presença de lúpulo e toques vegetais.

Considerações da Confraria:

Nossa escolhida da noite, esta cerveja teve opiniões bem consistentes, exceto por um confrade que informou que beberia novamente mas não compraria. Procuramos identificar as qualidades ressaltadas nos textos encontrados sobre a cerveja e a maioria destas qualidades foram percebidas, como sabor balanceado, corpo, presença do lúpulo etc. O confrade Renato Maldonado notou um sabor metálico, que segundo ele foi percebido como “sangue”. Apesar das cervejas degustadas terem ficado em repouso por mais de uma semana, isto pode ser devido a alguma oxidação por alguma falha como vedação ou micro trinca no gargalo da cerveja, porém outros confrades tomaram da mesma amostra (garrafa) e não notaram o sabor metálico. Pior avaliação foi feita pelo Renato Maldonado, com 6 pontos (Muito Bom) e a melhor avaliação foi a minha e a do Ricardo Valência, com 8,6 pontos (Excelente).

Avaliações de nossos degustadores:

Aroma: 7,4
Aparência: 7,4
Sabor: 6,9
Sensação na boca: 7,8
Impressão Geral: 7,8
Média Geral: 7,3

Ficha de Avaliação