EnoloGuia

Rosé d’Anjou

A denominação Rose d’Anjou é usada para vinhos rosados, produzidos na região do Vale do Loire, na França. Um produto de estilo fuitier, quase totalmente livre de taninos, é fermentado a base de maceração carbônica.

Para receber o título Rose d’Anjou, uma lei determina que o vinho precisa ser liberado antes do 38º dia anterior à terceira quinta-feira de novembro do ano de colheita.

Anjou – Região

Este é um lugar para lá de atraente para apreciadores de vinho. Uma parte do Vale do Ria Loire, no coração da França. A região de Anfou abriga, na verdade, uma série de denominações de origem com diferentes estilos de vinhos, tranquilos e espumantes, secos e doces. A tradição vitivinícola da região data de mais de 1.000 anos atrás.

O clima de Anjou é relativamente moderado, equilibrando a influência continental do centro da França e a influência marítima do Oceano Atlântico, coma presença do Rio Loire. Dois solos bastante distintos são encontrados na região: Anjou Noir – que representa a maioria do solo de xisto escuro no norte e oeste da região e Anjou Blanc – uma minoria de solo de calcário branco que fica mais ao sul.

Mas a variedade de vinhos de Anjou é no mínimo impressionante:

  • Anjou: a denominação mais abrangente, mas com menor prestígio. Os limites desta denominação estendem-se até a vizinha Saumur, permitindo que parte do vinho produzido naquela região seja vendido com o rótulo Anjou AOC. O Anjou tinto pode ser produzido a partir de Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Pineau d’Aunis e tende a ser de médio corpo a encorpado. O Anjou branco pode variar em estilo de seco a doce e de corpo leve a cheio. Estes devem ser compostos de um mínimo de 80% de Chenin blanc com Chardonnay e Sauvignon Blanc permitidos para preencher os 20% restantes da mistura;
  • Anjou Coteaux de la Loire e Coteaux de l”Aubance: que produzem vinhos de sobremesa a partir da uva Chenin Blanc, perfeitos para serem consumidos com aperitivos de frutas secas ou com queijos azuis como Roquefort;
  • Anjou Mousseux: um espumante surpreendente, podendo ser branco ou rosé;
  • Cabernet d’Anjou e Rosé d’Anjou: rosés leves e ligeiramente adocicados, produzidos a partir de diversas uvas como Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Grolleau, Pineau d’Aunis, Gamay e Malbec. Perfeitos para combinar com entrada de melão e presunto ou frango picante;
  • Bonnezeaux e Quartz de Chaume: vinhos de sobremesa produzidos com a Chenin Blanc, muito complexos e com impressionante capacidade de envelhecimento, carregam a fama de serem eternos. Excelente escolha para acompanhar sobremesas a base de damascos;
  • Coteaux du Layon e Coteaux du Layon Villages: somente são produzidos vinhos brancos de sobremesa com a Chenin Blanc e são muito recomendados para acompanhar doces elaborados com amêndoas ou ameixas;
  • Crémant de Loire: um espumante muito interessante feito principalmente com a uva Chenin Blanc, mas que pode ter também Chardonnay, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Pineau d’Aunis. O período de amadurecimento antes de ser posto à venda é de 12 meses e harmoniza muito bem com frutos do mar, peixes de água doce, frango frito ou carne de porco apimentada;
  • Jasnières e Coteaux du Loire: brancos, tintos e rosés fáceis de harmonizar com vários tipos de peixes e também com carne de porco;
  • Savennières: Chenin Blanc em brancos secos de qualidade muito diferenciada, moderadamente encorpados e com um frescor mineral, são perfeitos com frango à moda tailandesa e também com abobrinha frita;
  • Rosé de Loire: um refrescante rosé elaborado com Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon que deve ser apreciado preferencialmente jovem, apesar de algumas safras excepcionais surpreenderem com o envelhecimento.

Como dá para ver Anjou não é sinônimo apenas de qualidade, mas de variedade, muita variedade. Um estilo de Anjou para cada paladar e ocasião.

Voltar para lista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.