EnoloGuia

Vinhos biodinâmicos

Nos vinhos biodinâmicos, além de serem feitos a partir de uvas de cultivo orgânico, seus produtores seguem a filosofia antroposófica, proposta em 1924 por Rudolf Steiner, que além de filósofo era educador e esoterista. De acordo com os princípios da filosofia de Steiner, uma fazenda agrícola deve buscar ser um ambiente totalmente autossustentável, em harmonia com o cosmo, com a mínima interferência do homem, para que a terra possa recuperar sua energia vital e produzir frutos que expressem as características próprias do local.

As regras para esse tipo de agricultura foram colocadas no livro “The Spiritual Foundations of Biodynamic Methods”. Nele, afirma-se que os processos tanto na vinha quanto na vinícola são regidos pela posição dos planetas e pelas fases da lua. Não se usa agrotóxicos e fertilizantes, porém, o produtor pode contar inicialmente com preparados biodinâmicos, que são como fórmulas naturais (à base de ervas medicinais e minerais), até que o ecossistema recupere o equilíbrio e necessite cada vez menos da ação do homem. Na elaboração dos vinhos também são seguidos os mesmos preceitos, com a menor interferência possível na vinificação, sem utilizar leveduras que não sejam naturais (da própria uva) e com o mínimo (ou nada) de enxofre para conservar.

Assim como a agricultura orgânica, existem órgãos para regular e autenticar os poucos os produtores que se aventuram na agricultura biodinâmica. Um dos principais nomes adeptos desse prática é o Domaine de La Romanée-Conti, que faz um dos vinhos mais famosos e caros do mundo.

O que é um vinho biodinâmico?

Antes de tudo, um vinho é considerado biodinâmico se, e apenas se, o produtor praticar a agricultura biodinâmica em seus vinhedos. Portanto, a pergunta certa seria: o que faz um vinhedo ser biodinâmico?

Biodinâmicos são os vinhedos cultivados de acordo com as regras da Antroposofia. O conceito por trás dessa forma de agricultura baseia-se nas relações harmoniosas entre todos os elementos que compõem o vinhedo, ou seja, o equilíbrio entre o solo, as plantas, os animais, o ser humano e os cosmos (representados pela luz e calor e pelas as estações do ano, aspectos que atuam diretamente no ciclo de vida do terroir).

A busca por esse equilíbrio confronta diretamente com o uso de pesticidas e fertilizantes industriais. A terra, diferente do que muitos pensam, é um sistema vivo e muito complexo, com suas próprias teias de seres vivos e cadeias alimentares. Ela é capaz de nutrir as plantas que crescem dela e, consequentemente, gerar frutos saudáveis, se for manejada corretamente.

O objetivo é assegurar a saúde do vinhedo e, consequentemente, do ser humano, o que só é possível na busca de uma terra saudável, com vida, fertilizada naturalmente pelos seus próprios ciclos internos e pela sua biomassa.

No vinhedo biodinâmico, outras espécies de plantas são cultivas junto às parreiras. Fonte: Vinícola Koyle / Divulgação.

Entenda qual é a diferença entre o vinho orgânico e o biodinâmico

Lendo a primeira parte da nossa matéria pode parecer que o conceito de biodinamismo é muito semelhante ao da agricultura orgânica. Afinal, qual a diferença entre esses dois conceitos?

Os vinhos orgânicos são aqueles que vetam a utilização de produtos industriais, como agrotóxicos, conservantes e fertilizantes, tanto no controle no vinhedo, ou seja, na viticultura, quanto na produção do vinho, ou seja, na vinicultura.

Já o biodinamismo exige, além das práticas orgânicas, o manejo do vinhedo como um ecossistema. Ele é alimentado com compostos vegetais, animais e minerais, e bichos de todos os tipos e espécies nativas são convidados a passear entre as videiras, fertilizando o solo e podando naturalmente as plantas. Além disso, são estudados com afinco as fases da lua e os ciclos da natureza, para manter o maior respeito possível aos equilíbrios naturais do campo.

Resumindo: todo vinho biodinâmico é orgânico, mas nem todo o vinho orgânico é biodinâmico.

Compostos minerais utilizados para fertilizar a terra naturalmente. Fonte: Vinícola Matetic / Divulgação.

A origem da agricultura biodinâmica

A agricultura biodinâmica é baseada nos estudos do filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925), que fundou a Antroposofia. Segundo essa filosofia, a humanidade deve interferir o mínimo possível nos ciclos naturais, que estão alinhados entre os diversos reinos de seres vivos e com os ciclos dos cosmos, do sol e da lua.

O nome biodinâmico é proveniente do grego bios (vida) e dynamis (energia), e reforça a visão orientada para a simbiose entre energia física e espiritual, que conectam a natureza e a cultura, o homem e a terra.

Na vinícola Koyle, os vinhedos biodinâmicos recebem a visita de diversos animais, como gansos e galinhas. Fonte: Divulgação.

O Calendário Agrícola Astronômico é uma regra para os vinhos biodinâmicos?

Não é uma regra, mas muitas vezes é utilizado.

Este calendário é baseado na movimentação da lua e dos astros ao redor da Terra, em um ciclo de 27 dias. O método considera que a lua exerce forças cósmicas sobre a Terra, mas cada dia de forma diferente, de acordo com a sua posição no céu e a fase lunar. Com isso, toda a vida no planeta é influenciada e, se o cultivo das uvas for sincronizado com o calendário, o terroir recebe estímulos benéficos de forma amplificada.

Voltar para lista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.